O que é Optometria?

O termo OPTOMETRIA é derivado do Grego, OPTO = Visão e METRIA = Medida, sendo a definição literal de Optometria como Medida da Visão.

Como definição clássica e internacional, entende-se por OPTOMETRIA:

A ciência que estuda o sistema visual, habilitando profissionais independentes na área da saúde, sanitários, não médicos, que atuam na prevenção de problemas oculares e sistêmicos; sendo ainda um especialista na determinação de defeitos refrativos e disfunções visuais, especificando as ações e medidas corretoras adequadas sem a utilização de drogas ou intervenções cirúrgicas. (Fonte: WCO – World Council Optometry).

A OPTOMETRIA é uma ciência especializada no estudo da visão, especificamente nos cuidados primários e secundários da saúde visual. O Optometrista é um profissional independente na área da saúde, com formação superior, que está qualificado a examinar e avaliar o sentido da visão, sendo um especialista em identificar e corrigir alterações visuais de origem não patológicas; melhorando o desempenho visual e, consequentemente, o desenvolvimento social e a qualidade de vida da população.

O Optometrista, com formação de nível superior no Brasil, não utiliza qualquer medicamento tarjado ou técnica invasiva ao corpo humano. Todos os equipamentos utilizados são de caráter observativo e direcionados à avaliação quantitativa e qualitativa do sentido da visão. Também é preparado para identificar uma alteração visual de ordem patológica ocular ou sistêmica, encaminhando, nestes casos, o indivíduo a um profissional da área médica, realizando assim seu trabalho de prevenção.

Sendo um profissional sanitário, o Optometrista trabalha em harmonia com outros profissionais da saúde. É um dos elos fundamentais na cadeia multi-profissional e multi-disciplinar, em benefício da saúde da população.

Fonte: sno.org.br . 

O que é a Optometria Comportamental?

O propósito do Optometrista Comportamental não é somente que seus pacientes tenham uma boa acuidade visual, porém que tenham a habilidade de usar completamente a sua visão de uma maneira eficiente e confortável.

Além de compensar os defeitos refrativos e tratar alterações funcionais como, dificuldade de enfoque, sistema visual estressado ou visão dupla, o Optometrista Comportamental soluciona problemas relacionados ao desenvolvimento e a aprendizagem visual podendo ou não estar diretamente envolvidos com o fato de ver nítido. Para esse profissional é importante entender como seus pacientes recebem, compreendem, identificam e discriminam o tamanho, forma e cor, calculam as distâncias e a velocidade dos objetos… Ou seja, é importante identificar qualquer alteração que esteja impedindo a obtenção do máximo rendimento visual com o menor esforço.

O Optometrista Comportamental analisa os problemas visuais desde um ponto de vista global, considerando o sistema visual como um integrante do organismo. Por tanto, trabalha em contato direto com outros profissionais como fonoaudiólogos, pediatras, psicólogos, educadores, reeducadores auditivos… formando uma equipe multidisciplinar.

A OPTOMETRIA é a ciência que estuda o funcionamento da visão, e o seu objetivo é prevenir, detectar e solucionar as alterações visuais não patológicas que um paciente possa apresentar.

Portanto, o Optometrista é o profissional capacitado para:

  • Realizar um exame optométrico;
  • Desenhar e realizar terapias reabilitadoras da visão;
  • Proteger, preservar, melhorar e otimizar as funções e capacidades visuais;
  • Adaptar os diferentes tipos de compensações dos problemas visuais (óculos, lentes de contato, auxílios de baixa visão, etc.);
  • Derivar a outros especialistas, em especialmente aos especialistas médicos, os pacientes sob suspeita e/ou com patológicas.

Fonte: www.institutothea.com

Perfil do Profissional

  1. Possuir conhecimentos técnicos e primar pela ética, integridade moral e consciência social;
  2. Realizar exame optométrico completo na área de cuidados primários e secundários;
  3. Deverá conhecer o sistema de encaminhamento dos casos onde foi detectada qualquer patologia, seja em nível ocular ou sistêmico, para os profissionais competentes (médicos) evitando assim o agravamento da situação que poderá pôr em risco a visão do paciente;
  4. Elaborar e desenvolver pesquisa e investigação na área da OPTOMETRIA e da Saúde Coletiva;
  5. Educar e esclarecer as comunidades sobre a importância do exame visual / ocular preventivo, através de sua inserção nas equipes multidisciplinares que atuam na saúde coletiva;
  6. Ter a habilidade de dominar todos os equipamentos específicos e derivados;
  7. Conhecer tecnologia e informática aplicada à saúde para o desenvolvimento das atividades científicas e educativas;
  8. Estar apto a realizar todas as atividades inerentes a sua atividade profissional.

Atualmente existem pelo menos 2.000 profissionais ou futuros Optometristas, qualificados para a prática da OPTOMETRIA.

É válido salientar que a OMS (Organização Mundial da Saúde) sugere a proporção de três (3) Optometristas para cada Oftalmologista, aplicando-se o critério (estatística mundial) de que 70% dos problemas de visão são resolvidos simplesmente com a indicação de lentes corretivas. Nessa perspectiva, considerando que, no Brasil, existem 7.000 Oftalmologistas dado atualizado durante Audiência Pública Comissão de Assuntos Sociais do Senado em 14 de julho de 2011, deveriam haver 21.000 Optometristas!

Fonte: sno.org.br.

Campo de Atuação

O Optometrista (optômetra) poderá atuar:

  1. Individualmente ou associado a outro profissional da área da saúde;
  2. Em clínicas;
  3. Consultórios;
  4. Postos de saúde;
  5. Indústrias;
  6. Escolas;
  7. Universidades (pesquisa e docência);
  8. Comunidades.

Fonte: sno.org.br.

Optometria no Mundo

A OPTOMETRIA como profissão já existe no mundo há mais de 100 (cem) anos, tendo surgido como atividade pela primeira vez nos Estados Unidos por volta dos anos de 1860-1870. Atualmente, a OPTOMETRIA é uma profissão completamente difundida e respeitada no mundo inteiro, sendo que está presente em mais de 130 países no mundo, entre eles:

 Estados Unidos;  Canadá;   Inglaterra;  Alemanha;  Espanha;  Itália;  França;  Portugal;  Rússia;  Israel;  Japão;  China;  México;  Índia;  África do Sul;  Quênia;  Líbano;  Cuba;  Costa Rica;  Panamá;  Colômbia;   Austrália;  Nova Zelândia…

Recentemente (nov/10), o Congresso do Chile aprovou a regulamentação da profissão de Optometrista com a unanimidade dos parlamentares daquele país. Nos países que adotam a OPTOMETRIA, percebeu-se uma melhor distribuição desses profissionais em regiões longínquas e de difícil acesso. Isto facilitou o atendimento à população, principalmente a menos favorecida. A OPTOMETRIA possui reconhecimento de Organizações Internacionais, dentre elas:

OMS-ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE

Afirma que o profissional em OPTOMETRIA é o responsável principal pelo atendimento primário a visão;

 

OPAS – ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE

Preconiza desde 1984 sobre a importância da atenção primária (prevenção) como pilar da saúde visual, serviço este realizado por Optometristas profissionais especializados e preparados para esta função;

 

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

Reconhece a profissão de Optometrista como prestador de serviços de atendimento primário à visão;

 

OIT – ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

Classificação Internacional de Ocupações – CIUO88, da qual o Brasil faz parte através da Organização Internacional do Trabalho-OIT – reconhece a OPTOMETRIA como profissão.

 

UNESCO – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA

Reconhece a OPTOMETRIA enquanto profissão e nos convocou para fazermos parte dos debates travados no 1º FÓRUM SUL-AMERICANO DE SAÚDE VISUAL em Bogotá/Colômbia, em novembro de 2008.

Fonte: sno.org.br.

Importância e Justificativa

A inexistência da OPTOMETRIA no Brasil por mais de 100 anos carretou uma lamentável elitização do serviço de saúde visual em nosso país, além de uma dívida social impagável (não é difícil imaginar) com aqueles que nasceram, cresceram e morreram sem nunca terem tido a oportunidade de avaliar a sua condição visual. Sem um profissional para atendimento primário na área da saúde visual, a população brasileira fica carente de assistência à visão. O acesso aos exames de saúde visual fica praticamente à disposição de classes sociais elevadas, que podem pagar altos valores de consultas ou possuem planos de saúde particulares, restando para a grande maioria da população esperar longamente por atendimento pelo SUS, e além disto receber um atendimento pouco especializado e desqualificado pela alta demanda associada à escassez de profissionais nesta área.

O Optometrista, sendo um profissional com formação superior, é preparado e habilitado justamente para a realização de atendimento visual primário (prevenção) e correção visual, vindo para solucionar grande parte da deficiência do atendimento visual no Brasil. Atualmente, 56% da população brasileira tem necessidade de avaliação visual para melhorar sua qualidade de vida. No entanto, apenas 11% da população consegue ter acesso ao atendimento visual e ter compensadas suas dificuldades visuais, o que implica um percentual de cerca de 45% de brasileiros que não têm condições visuais adequadas por falta de um atendimento visual. É fácil concluir que são os menos favorecidos que se encontram nessa situação.

Segundo dados do IBGE, existem hoje no Brasil cerca de 24,5 milhões de pessoas ou 14.5% da população total com algum tipo de incapacidade ou deficiência. E é importante destacar que estudos da ONU demonstram que cerca de 10% da população mundial possui algum tipo de deficiência, o que mostra que os índices brasileiros são superiores se avaliados em comparação com os da população mundial. Segundo dados da OMS – Organização Mundial de Saúde 80% das cegueiras são evitáveis e 90% dos casos ocorrem em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos. O Brasil possui um dos piores índices de prevenção para acuidades visuais do mundo, sendo que 99 milhões de brasileiros nunca passaram por nenhum exame de acuidade visual. Ainda, segundo dados do MEC, 81% das crianças repetentes no país o fazem por falta de acuidade visual. A quase totalidade das crianças em idade escolar nunca passou por exame ocular. Estima-se que 8% dessas crianças necessitem de óculos e 5% apresentem outro problema ocular não detectado que pode gerar problemas mais sérios.

Com certeza, a inserção do Optometrista na saúde pública brasileira vai trazer grandes avanços e modificações positivas nestes números e mudar este atual quadro resgatando a qualidade visual do povo brasileiro. Ainda é importante de lembrar que atualmente o tempo médio para conseguir uma consulta pelo SUS para atendimento visual é de 6 a 10 meses, além disto, a maioria dos municípios brasileiros não possui acesso a profissionais da visão.

A OPTOMETRIA proporcionará ao país enormes avanços, entre eles:

  1. Pesquisa na área da saúde visual;
  2. Desenvolvimento de técnicas especiais de atendimento visual;
  3. Desenvolvimento de aparelho e instrumentos destinados a auxiliar e/ou melhorar a visão;
  4. Prestação de atendimento primário a visão, centrado na prevenção da cegueira e doenças oculares e sistêmicas;
  5. Prestação de serviço especializado de correção visual e compensação óptica;
  6. Prestação de serviços de terapias e exercícios para aprimorar o sistema visual e suas habilidades;
  7. Prestando consultoria e promovendo a ergonomia visual;
  8. Promoção de campanhas Optométricas;
  9. Educação e esclarecimentos às comunidades sobre a importância do exame visual;
  10. Aumento do acesso ao serviço de saúde visual a um custo mais acessível para a população;
  11. Oferta à população de um profissional especializado no sentido da visão;
  12. Formação de especialistas em áreas especiais de cuidados com a visão;
  13. Elaboração de planos e campanhas de prevenção na área da saúde visual;
  14. Melhor distribuição do serviço de saúde visual no país.

Fonte: sno.org.br

Aspecto Social

Crianças e Adolescentes

As crianças que não possuem uma boa qualidade de visão têm um rendimento escolar muito abaixo do esperado, que acaba por desestimular a continuidade de seus estudos. As disfunções visuais não corrigidas podem influenciar diretamente no desenvolvimento das crianças. Uma criança com baixa qualidade de visão pode ter seu comportamento inibido, intimidado e até sendo classificada como antissocial, simplesmente pelo fato de não conseguir ver ou ter a percepção do mundo ao seu redor. Estes casos ficam mais agravados pelo fato de crescerem com a qualidade visual baixa, ou seja, com isto as crianças se adaptam a esta situação, achando absolutamente normal aquilo que enxergam, portanto não reclamam, logo não procuram auxílio especializado.

Adultos e Idosos

Ainda hoje milhões de adultos têm sua produtividade reduzida ou até interrompida por falta de auxílios ópticos. Em um mundo onde cada vez mais as atividades visuais crescem, como utilização de computadores, manuseio de máquinas, serviços noturnos, estudos e leituras constantes etc., é evidente que o trabalho e sobrecarga do sistema visual aumenta, acarretando não só dificuldades visuais específicas mas também sintomas sistêmicos, como cefaleia, tontura e cansaço, por exemplo. Agregado a isso, a partir dos 40 anos o sistema visual começa a perder sua capacidade visual em trabalhos próximos (visão de perto), dificultando muito a produtividade em trabalhos comerciais e domésticos, uma vez que aos 40 anos o indivíduo ainda é altamente produtivo na sociedade. Este é um processo natural, fisiológico e previsível, sendo conhecido como presbiopia (e popularmente como vista cansada), no entanto muitas pessoas têm suas atividades dificultadas por não terem acesso a uma avaliação visual e uma correção óptica simples. A avaliação em pacientes de 3ª idade propicia principalmente a detecção prévia de patologias relacionadas com a idade, proporcionando o encaminhamento a profissionais específicos para tratamento, além é claro de oferecer uma melhor qualidade de vida ao paciente idoso através da correção parcial ou total de dificuldades visuais não patológicas.

Campanhas Sociais

Atualmente, profissionais em Optometria promovem campanhas sociais em escolas e bairros carentes com o objetivo de levar até estas comunidades um primeiro acesso ao serviço de atendimento visual.

Fonte: sno.org.br.